Imprima sua Nota Fiscal
suor excessico

Como combater o suor excessivo usando Botox

De acordo com a Sociedade Internacional de Hiperidrose, cerca de 3% da população mundial sofre com o suor excessivo. A transpiração é um mecanismo para o controle da temperatura do corpo. É comum transpirarmos mais quando somos expostos a temperaturas elevadas ou quando temos febre, estamos nervosos, envergonhados ou com medo. No entanto, algumas pessoas relatam que sofrem de sudorese excessiva e, por isso, precisam trocar de roupa várias vezes ao dia e carregam consigo toalhas, lenços ou antitranspirantes para ajudá-los no controle do problema. É algo muito constrangedor sobretudo em homens que usam terno diariamente.

Isso pode ser resolvido com a aplicação da toxina botulínica, um procedimento médico realizado em consultório, através de injeções nos locais afetados. Geralmente utiliza-se anestesia tópica (em creme) ou anestesia regional para maior conforto do paciente. É uma opção excelente para quem transpira muito nas axilas e não quer enfrentar uma cirurgia. A toxina bloqueia a passagem do estímulo que provoca a produção excessiva de suor. O processo é relativamente indolor e o efeito é percebido após uma semana da injeção. A redução pode chegar até a 80% no primeiro mês, podendo durar entre seis e oito meses.

Quando a sudorese excessiva é nas mãos e pés, o processo é mais doloroso e com menos resultado. Neste caso, sugerimos o uso do aparelho Anidronic.

Vantagens do Botox no combate ao suor excessivo

Uma vantagem do Botox é que com ele não há risco de ocorrer a hipersudorese compensatória, que é muito comum pós cirurgia. Outro benefício é não precisar de cuidados especiais após o uso da toxina.

Nos EUA e Europa, a aplicação de botox nas axilas vem se tornando cada vez mais comum perto de casamentos, desfiles e eventos importantes, até mesmo para evitar o constrangimento de estragar as roupas. O Brasil segue pelo mesmo caminho. Com isso observamos uma melhora na autoconfiança do paciente, que só de saber que tem esse recurso vai ficando mais calmo, o que resulta numa duração maior do procedimento. Alguns pacientes que faziam a aplicação de seis em seis meses agora fazem uma vez por ano.

Grávidas, mulheres em fase de amamentação e portadores de doenças neuromusculares não devem submeter-se a esse procedimento.

Clique aqui e agende uma consulta para saber mais sobre o tratamento de sudorese.

 

No Comments

Post a Comment